Carregando...

Perfume de lavanda reduz a ansiedade e estresse

Perfume de lavanda reduz a ansiedade e estresse

Estudo aponta redução da ansiedade e do estresse em camundongos expostos a uma substância encontrada na essência da lavanda

A alfazema, uma planta do gênero lavandula, é extremamente versátil. Suas flores delicadas são usadas na fabricação de sais de banho, óleos essenciais, difusores e sachês para perfumar gavetas e armários. Além disso, tem propriedades ansiolíticas.

Mas esse efeito tem comprovação científica? Sim, segundo Hideki Kashiwadani, neurocientista da Universidade de Kagoshima, no Japão.

Em um estudo publicado na revista científica Frontiers in Behavioral Neuroscience, Kashiwadani e seus colegas descreveram um experimento realizado com camundongos para comprovar o efeito ansiolítico do cheiro de linalol, uma substância encontrada na essência da lavanda.

Esse estudo testou, na prática, os resultados das pesquisas sobre a redução da ansiedade e do estresse gerada pelo cheiro da alfazema. Segundo Kashiwadani, esse experimento é uma etapa vital para o desenvolvimento de medicamentos derivados da alfazema.

No estudo, Kashiwadani e seus colegas vaporizaram o ambiente onde estavam as cobaias com linalol e observaram que a ansiedade dos animais diminuíra, sem os efeitos colaterais da administração de benzodiazepina, um fármaco usado no tratamento da ansiedade, que provoca sonolência e falta de concentração, entre outros sintomas.

Mas ao bloquearem o sentido do olfato e de determinados receptores no cérebro dos camundongos, o efeito tranquilizante do linalol desapareceu. Essa reação dos animais indicou que o linalol estimulava os neurônios do nariz a enviarem sinais a pontos específicos do cérebro, assim como a ação do calmante Valium na corrente sanguínea.

É possível que medicamentos à base de linalol sejam menos prejudiciais à saúde do que os fármacos usados no tratamento da ansiedade, um estado emocional que afeta cerca de um quinto da população adulta dos Estados Unidos.

Porém, Kashiwadani adverte que é preciso fazer mais pesquisas para testar a eficácia do linalol em seres humanos. Ele vê como um problema mais imediato a dessensibilização do sentido do olfato a determinados cheiros devido à exposição contínua.